julho 2015 - Norberto Rotter
0
View Post
OBRIGADO A DEMITIR? DEMITA COM QUALIDADE.

OBRIGADO A DEMITIR? DEMITA COM QUALIDADE.

Confesso que escolhi este título para minha coluna semanal com um certo dó, porém precisava chamar a atenção para este tema. Reiteradas vezes neste espaço tenho recomendado aos empresários que não sejam simplórios e preguiçosos nos momentos de crise, escolhendo o caminho mais curto,  ou caminho das demissões, antes de investigar seus sistemas, processos e custos, onde normalmente a solução se encontra.  No entanto também sabemos que, por vezes, esgotados estes recursos e demitir torna-se alternativa irremediável para “recolocar o barco no rumo certo durante a tempestade”.
Neste caso, é preciso lembrar que não estamos lidando apenas com objetos, mas seres humanos. Não estamos lidando com o funcionário A ou B, mas com suas famílias, filhos, seu moral, reputação, auto-estima, enfim, sua alma. O difícil ato de demitir, portanto, requer muito mais qualidade do que os da rotina corporativa, justamente por  acarretar estímulos motivacionais individuais e coletivos no campo das Relações Humanas.
Recomendo então:
 a)  Avise previamente com 30 dias antes o seu colaborador. Nenhuma desculpa justifica esconder sua decisão, pois ela sempre acabará vazando e além do trauma que irá causar no colaborador afastado, manchará sua imagem perante os demais; b)  Faça-o com respeito, se possível em reunião com os demais colegas agradecendo com franqueza sua colaboração,  deixando claro os motivos administrativos de decisão. Ou então,  faça-o em particular com respeito e gratidão; c) Prepare com critério toda a documentação e garanta todos os direitos do colaborador. 80% dos casos de ações judiciais movidas por demitidos devem-se a demissões traumáticas por erros e/ou má fé.
Considero estas dicas básicas e fundamentais, e entre outras, também recomendo a pesquisa. No entanto, estas já lhe garantirão tomar medida tão traumática com o mínimo padrão de qualidade administrativa e humana.
0
View Post
RELACIONAMENTO TAMBEM É INTERESSE

RELACIONAMENTO TAMBEM É INTERESSE

Em Paris ontem observando o descaso que um enorme restaurante tratava os turistas de todo o mundo, resolvi escrever sobre o poder do interesse. Como na vida o varejo é movido por interesse, nos aproximamos das pessoas interessados por algo que elas possam nos oferecer. O varejo atende bem sempre que interessado no retorno do cliente, na venda futura, em fazer uma boa pré-venda, etc. No caso deParis, já sabia antes de viajar que teria o melhor dos tratamentos, mas não sabia o quão frio e distante seria.

Mas me perguntava: que interesse teria aqueles garções de nos atender bem? Paris é invadida diariamente por milhares de turistas do mundo inteiro que jamais voltarão naquele local, muito menos voltarão à cidade. E se tratá-los mal, tudo bem. Noutro dia outros milhares virão mesmo sabendo que são maltratados.
Conclui que Paris vive do patrimônio construído pelos seus ancestrais. Os jovens faturam em cima do que os cidadãos construíram séculos atrás, pouco preocupados em construir algo novo hoje.
No Brasil encontramos tratamento semelhante em diversas cidades e estabelecimentos, nos quais aconteça o que acontecer o turista lá estará. Fica a lição para refletirmos. Se não houver interesse  no relacionamento com os clientes, que haja pelo menos educação.