abril 2010 - Norberto Rotter
0

OLHE PARA A FRENTE!

Você dorme todos ao dias pensando no que fez durante o dia? Nos acertos, nos erros? Nas decisões e atitudes que tomou? Pois saiba que não está sozinho!
O medo de errar consome as noites e os dias te todo o ser humano, de todo o profissional, seja ele presidente de uma grande corporação ou um humilde e competente servente de pedreiro. Esta é a realidade de uma sociedade que premia o erro e ignora o acerto. As famílias, as empresas, os clubes, os grupos sociais em última análise, como reflexo contínuo e permanente de uma sociedade competitiva e em crescimento, exercem uma pressão involuntária (na maioria das vezes) sobre os indivíduos, proibindo o erro. Enquanto para um cientista o erro é motivo de comemoração pela oportunidade de recomeçar, para a maior parte da sociedade passa a ser a expressão minúscula de um possível fracasso de toda a história humana ou diária de uma pessoa.
Assim você perde oportunidades enormes de melhorar sua qualidade de vida remoendo o “passado presente”. Perde o sono, perde o diálogo com a esposa, aquele passeio no shopping com o filho, aquele jantar com os amigos, aquele bate-bola no clube, aquele filme, aquela oportunidade de ser feliz naquele momento!
Pare já com isto! Eu perdi momentos valiosos da minha “vida valiosa” remoendo o “passado presente” quando na imensa maioria das vezes tinha dado O MELHOR DE MIM!
Pare agora de remoer ações nas quais deu o seu melhor; espere o novo dia com otimismo, acredite sinceramente que mesmo que não tenha agradado a todos, você fez o máximo. Que agradar a todos é sempre impossível. Sobretudo não desperdice horas raras e irreversíveis da sua vida remoendo o “passado presente” quando você tem a certeza que FEZ O MELHOR!

0

ENCANTAR CLIENTES, OU SIMPLESMENTE ATENDER?

Muitas vezes na nossa vida para encantar alguém basta fazer algo simples, como abrir a porta do carro para uma mulher, mandar um botão de rosa para a a pessoa amada, pedir licença, por favor, desculpas ou um simples “muito obrigado”. No varejo não é diferente, gestos simples e básicos não são comuns como por exemplo, colocar revistas atualizadas na recepção, entregar a mercadoria na data prometida, ou simplesmente colocar preços nas mercadorias da vitrine. O que se vê em geral não é resistência a mudança, mas o que chamo de “resistência ao básico”. Revistas com noticias do tipo “Morre Aytorn” ou “Brasil é Tetra”, atrasos na entrega, comida fria, cerveja quente,médico atrasado e com uma caligrafia ilegível, e outras barbaridades!! Então pergunto:Revistas atualizadas, médicos pontuais, receituários legíveis, cerveja gelada, entregas pontuais não encantariam os clientes? Que tal uma borracharia limpa e organizada, um político ético, um banheiro de posto de gasolina utilizável? Enfim, poderia elencar diversas condições “básicas e desejáveis”, mas que atenderiam as mais singelas necessidades dos clientes.

Os clientes não querem mais ouvir falar em excelência, encantamento neste momento, querem apenas ter suas necessidades ATENDIDAS. Estão cansados de conversa fiada, querem um atendimento nota 8,0. Enfim que possa dar um merecido conceito “Bom” e já estará feliz. Aliás, MUITO FELIZ.
Seria legal receber no meu Blog mensagens de leitores do tipo: “- Rotter visitei uma loja nota 8,0 e adorei!” . Ou então “ Professor! Passei a fazer o básico na milha loja, o mínimo indispensável e meus clientes estão Encantados!!” Já pensou? Seria sensacional